Google+ Badge

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Mais de 1 bilhão de pessoas passarão fome em 2009, segundo a FAO

http://br.noticias.yahoo.com/s/19062009/40/entretenimento-1-bilhao-pessoas-passarao-fome.html

Sex, 19 Jun, 10h38

Roma, 19 jun (EFE).- Um total de 1,020 bilhão de pessoas passarão fome
em 2009, o que representa um número recorde, segundo informou hoje a
Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).

A FAO, em comunicado emitido em sua sede em Roma disse que se prevê que este ano o número de vítimas da fome aumente 11%.
Para estabelecer estas previsões, a FAO se baseou nas análises do departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Este organismo atribui esse aumento à crise econômica mundial, que
originou uma diminuição da renda e um aumento do desemprego, o que
ajudou na redução ao acesso aos alimentos por parte dos mais
desfavorecidos.

A maior parte da população desnutrida do planeta vive em países em vias de desenvolvimento, informou esta organização.

Na Ásia e no Pacífico calcula-se que cerca de 642 milhões de pessoas
sofrem com fome crônica, 265 milhões em África Subsaariana, 53 milhões
na América Latina e no Caribe, 42 milhões na África do norte e Oriente
Médio e 15 milhões nos países desenvolvidos.

A FAO disse que os pobres que moram em zonas urbanas serão os que
terão mais dificuldades para enfrentar à recessão mundial, já que a
queda da demanda de exportações e a redução do investimento estrangeiro
direto causarão um aumento no desemprego urbano.

No entanto, o órgão informou que as áreas rurais deverão enfrentar o
problema que vai representar o retorno de parte dessa população urbana
para o campo.

Além disso, a FAO manifestou que os países em desenvolvimento terão
uma menor capacidade de manobra nesta crise devido à rápida
deterioração do contexto econômico e a que as turbulências afetam todo
o mundo de forma mais ou menos simultânea.

Isto limita a capacidade de se recorrer a mecanismos reparadores
para se ajustar aos vaivéns macroeconômicos, como a desvalorização da
moeda ou empréstimos no mercado internacional de capitais. EFE

Nenhum comentário: