Google+ Badge

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Zelaya afirmou que o país estava dando um "e...



Fonte: Adital

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, entrou hoje (24) no país, na cidade de Paraíso, pela fronteira com Nicarágua, através da cidade de Las Manos. Às 14h25 de Honduras (17h25 de Brasília), um coronel das Forças Armadas permitiu o ingresso de Zelaya, que foi recebido por milhares de hondurenhos. Até o fechamento desta edição, no entanto, o presidente se mantinha na fronteira.

Ao ingressar, Zelaya agradeceu ao povo hondurenho e afirmou que o país estava dando um "exemplo de paz" ao mundo. O presidente havia chegado à fronteira às 13 horas de Honduras. Inicialmente, o mandatário havia sido impedido de ingressar em sua nação pelas forças militares.

O presidente deposto pediu à nação que "não se use de violência, já que tenho o direito legítimo de regressar a meu país e atender o mandato que o povo hondurenho me deu", informou a TeleSul.

Ao chegar, Zelaya garantiu que os soldados iriam "baixar os rifles", "porque são bons hondurenhos". "Quero fazer um chamado ao povo hondurenho para que não se renda, porque estariam sacrificando o futuro de nossos filhos a um grupo golpista", afirmara o presidente constitucional, segundo a TeleSul.

"Mel", como é popularmente chamado, espera por sua família na cidade hondurenha de Paraíso. A primeira dama, Xiomara Castro de Zeleya, seus filhos, mãe e sogra ainda não puderam chegar ao local. Devido ao bloqueio da estrada, os parentes de Zelaya se deslocam à fronteira a pé.

A mãe de Zelaya, dona Hortenzia, pediu ao general Romeo Vásquez, chefe das Forças Armadas hondurenhas, que seja mais flexível e coopere com o povo.

O presidente provisório, Roberto Micheletti, havia decretado toque de recolher na fronteira, que foi tomada por hondurenhos que exigiam a entrada de Zelaya. A medida deveria impedir o trânsito de hondurenhos na fronteira das 12h da tarde até as 4h30 da manhã, mas os manifestantes pró-Zelaya se mantiveram no local.

No início da tarde, as Forças Armadas arremeteram contra os manifestantes que viajaram de diferentes cidades do país até a fronteira. Segundo informações da TeleSul, a polícia lançou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes. Um manifestante disse ao canal de televisão que uma pessoa ficou ferida, mas a informação ainda não foi confirmada.

Nenhum comentário: