Google+ Badge

domingo, 24 de março de 2013

O direito à comunicação e para todos



A rádio comunitária, redes sociais, Web 2.0, a liberdade de expressão, o software livre, o acesso à informação. Alguns tópicos que serão apresentados na terceira edição do Fórum Mundial de Mídia Livre (FMML) a ser realizada em Tunes, no Fórum Social Mundial, de 24 a 30 de março.
O FMML será um espaço de diálogo e troca de experiências. Espaço para desenvolver novas formas comuns de noivado. O Fórum será também uma oportunidade para lembrar a Internet, redes sociais, ferramentas da Web 2.0, em geral, permanecem no serviço de informação que pode ser aproveitada para a ação como para a experimentação.
Democratização da informação
Em um mundo onde a produção de informação é abundante, mas onde o acesso à informação crítica, pluralista e diversificada é cada vez mais difícil, FMML foi criada para explorar idéias e alternativas que os cidadãos de garantia da direito de "comunicação por todos e para todos".
Tal democratização da comunicação é vital, porque nenhum projeto de democracia não pode ser credível e sustentável sem ele. "Isso [a democracia projecto] é antes de tudo uma apropriação por todos e cada um dos meios de comunicação e de comunicação", diz Marion informações Bachelet portal marroquino E-joussour.net
A mercantilização da informação, ferramentas para produção e difusão é um grande obstáculo para a democratização da comunicação. A lógica dos grandes grupos de mídia e software proprietário é o mesmo - o retorno financeiro - e que vai contra a idéia de livre circulação do conhecimento e do conhecimento.
O acesso à informação pode fornecer soluções para os desafios sociais, econômicos e ambientais enfrentados pelas nossas sociedades. "Sem informação, sem mobilização, não houve mudanças, não há debate, não há construção crítica", diz o jornalista Ivan du Roy sítio de informações bastamag.net.
Redes livres
Movimentos e atores de mudança social são cada vez mais a Web para construir e distribuir as suas reivindicações. Desde 2011, novas formas de mobilização da sociedade civil e insurgência surgiram tantas vezes espontâneo, mais horizontal e principalmente usado por gerações mais jovens (movimento Ocupar, o hacktivismo, indignado na web, mobilizações primavera de bordo em Quebec Estudantes no Chile manifestações grego, revoluções árabes). A Web tem ocupado um lugar essencial como ferramenta de mobilização, mas, principalmente, como um espaço para a invenção de novas formas de ativismo. Mas as questões permanecem tamanho do espaço virtual.
De acordo com Marco Antônio Konopacki Soylocoporti coletivo brasileiro "devemos permanecer vigilantes." O modelo de governança da Internet faz os movimentos sociais e as corporações atores serviços dependentes transnacionais e dos governos. Estes são principalmente as empresas transnacionais que controlam as ferramentas de troca (software) e os canais que "surf" a informação.Um dos desafios é FMML atender a uma necessidade de protocolos e redes livres.
A Web foi concebido como horizontal, a "tela" vem da idéia de não-centralização. A batalha para a disseminação de software livre (Open Source Software) é de grande importância para manter intactos os princípios fundadores da web. Na lógica do software livre, os usuários têm a liberdade de executar, copiar, distribuir, estudar, mudar e melhorar o software. Muitas vezes, é gratuito e é essencial para reduzir o fosso digital, outro tema discutido pelos FMML participantes.
A exclusão digital é um grande problema que as empresas, especialmente dos países em desenvolvimento, estão enfrentando. Quase 70% da população mundial não tem acesso à Internet.Use uma qualidade da rede digital é, por vezes, o privilégio de uma minoria de cidadãos em determinadas áreas do Norte. Nos países em desenvolvimento, o acesso às novas tecnologias é mais caro do que no Norte, devido à monopolização do mercado por empresas multinacionais.
A rádio comunitária
Um ponto forte da terceira edição do FMML está organizando atividades em torno de rádio comunitária que permanecem indispensáveis ​​agentes de desenvolvimento e democratização das sociedades do Norte e do Sul. Eles são bem desenvolvidos no Sul, especialmente no continente Africano. Com esta ferramenta, as populações mais vulneráveis ​​(jovens, mulheres, comunidades rurais, etc.) Podem produzir e acessar informações. Rádios são, aliás, as ferramentas de comunicação mais barato e mais acessível.
A rádio comunitária se tornou um fenômeno global, impulsionado pelo desejo de pessoas que querem fazer ouvir as suas vozes e democratizar suas sociedades, através do exercício do direito à comunicação. Desde a sua criação na década de 50, a rádio comunitária tornou-se a ferramenta de comunicação importante terceiro em 135 países, juntamente com a mídia privada e pública. É também um projeto de comunicação participativa, que não responde à lógica do lucro, mas que expressa as necessidades das comunidades geográficas. A rádio comunitária é uma experiência cidadão. Ele encarna o direito universal à comunicação.
Tunisino apoio da mídia
Em dezembro, a Associação Mundial de Rádios Comunitárias (AMARC) organizou uma excursão em todas as regiões da Tunísia para atender organizações de rádio próximos e da sociedade civil. O objetivo da missão foi identificar os jogadores atuais e potenciais, suas necessidades profissionais e capacidades de partilha de advocacia para reforçar o impacto dos meios de comunicação locais no processo democrático na Tunísia.
As questões também FMML a surgir a partir das necessidades e demandas dos atores da sociedade civil participantes do Fórum Mundial. Mas também para apoiar estas aplicações e soluções para as organizações em um processo de tunisina solidariedade internacional e para a construção de sociedades mais justas e sustentáveis.
Erika Campelo, Ritimo ( www.ritimo.org )

Nenhum comentário: