Google+ Badge

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Buraco do Rato: Fraudes e crimes da maior empresa brasileira

https://ninja.oximity.com/article/Buraco-do-Rato-Fraudes-e-crimes-da-mai-3


Maio de 2013. André Almeida, ex-funcionário e ex-agente das Forças Armadas brasileiras, denuncia a Vale S.A por crimes de espionagem de governos, jornalistas, funcionários, terceirizados e líderes de movimentos sociais. A empresa mantêm espiões infiltrados nos principais movimentos de resistência do país. Rede Justiça nos Trilhos e MST são acompanhados de perto. Fraudes, crimes contra a pessoa, denuncias de trabalho escravo, crimes contra patrimônio público, compra de licenças ambientais também fazem parte do pacote de denúncias.
A Mídia NINJA teve acesso a esses e outros documentos, entregues à nossa equipe pelo próprio denunciante e também relatados em matéria anterior da Agência Pública (http://apublica.org/​2013/09/abrindo-caix​a-preta-da-seguranca​-da-vale/). Visitamos quatro estados onde a Vale S. A. opera, entrevistamos lideranças perseguidas e ameaçadas pela empresa. Fomos entender o desrespeito e os crimes que a empresa comete contra as populações.
Buscamos a fundo a história do massacre de Eldorado do Carajás (PA). 19 trabalhadores sem terra do MST foram brutalmente assassinados. Era 1996 e eles haviam fechado parte da estrada por onde escoava o minério da Vale S. A. Embora nos autos do processo a empresa figure como a financiadora do massacre, até hoje, passados 18 anos, ninguém respondeu por essas mortes e a justiça segue cega.
Entrevistamos um sobrevivente do massacre, hoje líder do MST que já sofreu tentativas de assassinato e hoje vive exilado em outro estado.
Mais que uma denúncia, o documentário é um alerta para outros países onde a empresa tem se instalado. Hoje a Vale S.A está em 30 países dos 5 continentes, levando suas práticas de abuso e espionagem para todo o mundo. No Brasil, descobrimos que ela contratava uma empresa que infiltrava pessoas nos movimentos sociais, fazia escutas, espionagem, perseguição e custava aos seus cofres cerca de R$ 500 mil mensais.
Esse documentário está sendo produzido pela Mídia Ninja, em parceria com o Comitê Nacional em defesa dos territórios frente à mineração, e será lançado no segundo semestre de 2014.

Nenhum comentário: